29/12/2008

Deus é o Nosso Consolador

Uma senhora não-crente perdeu a sua filhinha depois de um longo período de enfermidade. Só após muito tempo é que veio a se consolar daquela grande perda. Ela era vizinha de uma família de crentes. Estes também tiveram um sério momento de tristeza: um moço da família, vítima de acidente, veio a falecer. Tudo corria normalmente e a família dele não se desesperou. Mas a não-crente não conseguia saber porque sofrerá tanto com a morte da filhinha, quase enlouquecendo, e, a morte do vizinho, parecia não tê-los afetado.
Veio um período de cultos especiais na igreja. Os crentes levaram-lhe um convite. Aceitou. Foi a um culto e se converteu.
Recebia agora a visita dos crentes. Vivia em perene alegria. Um dia confessou à vizinha:
- Agora sei porque vocês sofreram resignadamente a morte do rapaz...
"O justo até na sua morte tem esperança"; "Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor" (Pv 14.32; Ap 14.13).

Nenhum comentário:

Destaque

Conta-se de dois peregrinos que decidiram visitar a imortal cidade de Belém, por ocasião das celebrações do Natal. Partiram muitos meses ant...